Get Adobe Flash player

UTILIDADE

Página 3 de 16412345678910...203040...Última »

 

 

Inscrições para a quadrilha da Assufemg

– Inscrições de casais: 19 à 23 de Julho das 08 às 16:30 na secretaria da Assufemg;

– Quem poderá participar: sócios e seus dependentes e comunidade universitária em geral ( necessário ter vínculo com a UFMG);

– Apresentação da quadrilha: dia 02/08 às 21:30 na Assufemg;

– Ensaios:  26/07 e 01/08;

– Horário dos ensaios: 17:30 às 18:30;

– Trajes: Ficará a cargo de cada participante providenciar o seu.

 

 

Grupos de trabalho serão instituídos pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Ensino Superior (Andifes) para analisar os fundamentos do programa Future-se, apresentado nesta quarta-feira, dia 17, pelo Ministério da Educação para financiar as universidades e institutos federais. “A Andifes sempre assumiu o compromisso de discutir propostas apresentadas pelo governo. Constituímos grupos de estudos em outras ocasiões para avaliar a proposta de ampliação das universidades que resultou no Reuni, o projeto da jornada de 30 horas, a assistência estudantil e a reserva de vagas”, exemplificou o presidente da Associação, Reinaldo Centoducatte, reitor da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em coletiva de imprensa realizada na tarde de hoje na sede da entidade, em Brasília.

A base da proposta do MEC seria um fundo de de investimentos para financiar as universidades e institutos federais. Sua operacionalização se daria por meio de contratos de gestão firmados pela União e pela instituição de ensino com organizações sociais (OSs), entidades de caráter privado que receberiam o status “social” ao comprovar eficácia e fins sociais, entre outros requisitos. Os contratos de gestão poderão ser celebrados com organizações sociais já qualificadas pelo MEC, e as próprias fundações de apoio das universidades poderão ser credenciadas como organizações sociais. A adesão, segundo o governo, é voluntária. Leia mais em matéria publicada no Portal da Empresa Brasileira de Notícias (EBC). O Portal do MEC também cobriu a apresentação do programa.

Garantir o presente e a autonomia
Presente ao lançamento do programa na parte da manhã, a reitora da UFMG, Sandra Regina Goulart Almeida, reagiu com cautela. “Há muitas dúvidas em relação ao projeto apresentado pelo governo federal. Precisamos, primeiramente, de esclarecimentos para que tenhamos elementos para conhecer e discutir os possíveis impactos desse projeto. Não podemos falar em adesão ou não sem um debate qualificado com a nossa comunidade e com os órgãos colegiados da UFMG”, defendeu.

Em sua visão, uma das questões fundamentais é analisar se a missão das Universidades – ser uma instituição pública de relevância, que oferece ensino gratuito e de qualidade – será preservada com essa configuração. Outro ponto importante, na avaliação da reitora, é a manutenção da autonomia universitária. “Além disso, para falar em um projeto de captação para projetos futuros, temos de pensar, primeiro, no nosso presente, que está comprometido com o bloqueio de recursos”, sustentou.

“Qualquer proposta que se apresente deve levar em conta a expertise, os exemplos bem-sucedidos e a competência instalada nas universidades”, avaliou o vice-presidente da Andifes, João Carlos Salles, que é reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA). De acordo com ele, ao apresentar uma proposta para arrecadação de recursos adicionais, o próprio governo parece reconhecer que o orçamento das instituições hoje é insuficiente.

Salles informou que a Andifes vai fornecer diretrizes, mas cada universidade terá autonomia para decidir se adere ou não ao programa. Na próxima quinta-feira, 25, haverá uma reunião do Pleno da Andifes – com presença dos dirigentes de todas as universidades federais – para discutir a proposta. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi convidado para o encontro.

“Ninguém em sã consciência é contra captar mais recursos. Mas é preciso construir uma legislação e estabelecer os requisitos para a adesão”, defendeu Centoducatte. “Algumas coisas [previstas na proposta] as universidades já fazem, diretamente ou por meio das fundações de apoio. Outras coisas não fazemos por impedimentos legais, somos obrigados, por exemplo, a licitar”, afirmou ele, que manifestou sua preocupação em relação à transferência de recursos públicos para as organizações sociais. “Necessitamos de uma legislação que nos dê suporte e segurança. Por isso, temos de ter paciência e cautela para enfrentar a discussão e chegar a um bom termo para as universidades”, afirmou o presidente.

Teto de gastos
De acordo com o reitor da Ufes, a própria Emenda Constitucional 95, que estabelece o teto de gastos públicos, poderia, a princípio, inviabilizar a ideia de um fundo investimentos. “Corremos o risco de ‘estourar’ o teto com a entrada de receitas adicionais. Esse dinheiro não poderia entrar como recurso público, teríamos de estudar outra forma”, afirmou o presidente da Andifes.

Também presente à coletiva, o segundo vice-presidente da Andifes, Edward Madureira, lembrou que a PEC 95 engessa as atividades de todo o Estado brasileiro e defendeu sua revogação. E acrescentou que, de imediato, é preciso reverter o bloqueio imposto às universidades para que possam concluir o ano letivo com suas contas em dia. “Algumas suportam mais tempo essa situação, outras menos, mas o fato é que até o fim do ano todas as universidades acabarão interrompendo parte de seu funcionamento se esse problema não foi resolvido”, alertou Madureira, que é reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG).

 

 

O Projeto Atividade Física para Universitários com Deficiência, promovido pelo Centro Esportivo Universitário (CEU) da UFMG em parceria com o Programa Superar, da Prefeitura de Belo Horizonte, oferece a oportunidade para que alunos da Universidade possam praticar atividades físicas sob a supervisão de profissionais. Serão oferecidas 20 vagas, e as inscrições devem ser feitas até 31 de julho por meio de preenchimento de formulário eletrônico neste link: http://bit.ly/2Lpylc2

As atividades contempladas na UFMG são as de natação e treinamento funcional. As aulas serão realizadas às terças e quintas, sem custos para os participantes, a partir das 8h, no CEU, localizado na Avenida Coronel Oscar Paschoal, região Pampulha.

Alunos de educação física da UFMG, sob a supervisão da equipe técnica do Programa Superar, ficarão responsáveis pela orientação dos participantes, que serão atendidos individualmente ou em pequenos grupos. “Vamos adotar a metodologia mais adequada para cada aluno, conforme a deficiência e a condição física de cada um”, explica uma das professoras do Projeto, Ranalisy Bregalda. Segundo ela, a prática de atividades físicas ajuda na socialização, na melhoria do condicionamento e na autonomia dos estudantes.

Para participar, o universitário deverá apresentar atestado médico recente para a prática de atividade física adaptada, submeter-se a avaliação feita pelos profissionais do projeto e ser sócio do CEU. Inicialmente, apenas alunos de graduação e pós-graduação da Universidade poderão se inscrever.

Mais informações estão disponíveis no site do CEU: https://www.ufmg.br/ceu e podem ser solicitadas pelos telefones 3409-2374 e 3409-2367.

Formação ampliada
A atividade é uma parceria do Superar com a UFMG, por meio do Departamento de Esportes da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (EEFFTO), do Centro Esportivo Universitário e do Núcleo de Acessibilidade e Inclusão. Nos últimos dois anos, 264 estudantes com deficiência ingressaram na UFMG.

A chegada do programa municipal à UFMG vai gerar intercâmbio de conhecimento e possibilitar aos alunos de educação física a ampliação de sua formação acadêmica na área de inclusão social e a oferta de atividades com benefícios à saúde e à qualidade de vida. Com 16 modalidades esportivas e ocupacionais, o Superar atende 900 alunos com deficiência física, visual, intelectual, auditiva, múltipla e com autismo.


 

Já está no ar a Edição 1266 do Pinga Fogo! Acesse neste link: http://bit.ly/2LlUmIu e confira!

 

 

O Center for Gastrointestinal Biology (CGB), do Instituto de Ciências Biológicas, promove, nos dias 22 e 23 de julho, a segunda edição do ImmunoNutri, evento que alia conceitos e estudos das áreas de imunologia e nutrição. As inscrições estão abertas até a próxima quarta-feira, 17.

Em formato dinâmico, com sessões de debate de curta duração, o evento contará com palestras de 20 pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da UFMG e UFRJ. Entre eles, Heitor Paula Neto, professor do Departamento de Biotecnologia Farmacêutica da UFRJ, falará sobre os benefícios da atividade física sob a perspectiva endócrina.

De acordo com a pesquisadora Maísa Antunes, coordenadora do evento, a proposta do ImmunoNutri é possibilitar que pesquisadores das áreas de imunologia e nutrição, que são correlatas, compartilhem resultados de estudos. “Apesar de relacionados, a junção de temas das duas áreas ainda é uma proposta muito inovadora”, destaca Maísa.

Outra finalidade do encontro é arrecadar recursos para as atividades do CGB, laboratório de referência no estudo de doenças hepáticas coordenado pelo professor Gustavo Menezes. Uma de suas descobertas mais recentes revelou, por exemplo, que o fígado de recém-nascidos exerce função predominantemente imunológica, e o desmame precoce pode predispor o organismo a doenças na vida adulta.

Os valores das inscrições serão destinados à compra de insumos, como reagentes e equipamentos básicos, essenciais para a continuidade de pesquisas realizadas no laboratório. Essa gestão é realizada no formato de crowdfunding para pesquisas. Prestações de contas periódicas e detalhadas da iniciativa de financiamento coletivo serão disponibilizadas nas redes sociais do evento.

Palestras técnicas
Os participantes também terão acesso a um conjunto de palestras técnicas que serão ministradas por especialistas de empresas apoiadoras do laboratório, que é único da América Latina a integrar a rede dos centros de excelência da Nikon, responsável pela produção de microscópios. A pesquisadora Karin Kieling, da Biolab Brasil, que representa a Nikon no país, falará sobre técnicas microscopia confocal. Já a Companhia Becton Dickinson (BD) apresentará novidades no campo dos processos de fluorescência. A Promega vai explicar os avanços na técnica RealTime PCR, utilizada para estudar expressão gênica. Já a especialista da InfinityPharma ministrará palestra sobre Probióticos: fatores de transferência e sistema imune.

Pôsteres
Uma novidade desta edição do ImmunoNutri são as apresentações em formato de pôster. Segundo Maísa Antunes, que é residente de pós-doutorado no ICB, a iniciativa contribui principalmente para graduandos e pós-graduandos em estágios iniciais de pesquisa, pois permite a eles explorar novas possibilidades indicadas pelos participantes. “Isso é muito importante para os alunos, pois muitos deles ainda estão em fase inicial dos projetos. Às vezes, o estudante quer apresentar o trabalho, mas considera que falta muito para arguição oral. A apresentação nessa modalidade permite que ele exponha seu projeto ainda em fase inicial, abrindo espaço para discutir o trabalho e, possivelmente, ter ideias e sugestões durante o evento”, explica.

Mais informações e a programação do evento, que será realizado no CAD1, no campus Pampulha, estão disponíveis na página do ImmunoNutri no Facebook.

 

 

Estudantes, docentes e técnicos-administrativos que desenvolvam projetos de pesquisa, de iniciação científica, de extensão ou quaisquer outras modalidades de produção do conhecimento podem se inscrever no #ExploraUFMGJovem, atividade da 20ª edição da UFMG Jovem na qual serão apresentados resultados de processos e estudos à comunidade da educação básica. As inscrições estão abertas até 10 de agosto, e as instruções estão descritas na chamada.

Os trabalhos podem ser apresentados por meio de exposições, atividades lúdicas ou interativas, que poderão ser de caráter fixo – durante os dois dias do evento –ou eventual, com turnos definidos. O resultado da avaliação das propostas será divulgado até o dia 16 de agosto.

Em sua 20ª edição, a UFMG Jovem será realizada nos dias 19 e 20 de setembro, no hall do CAD 1, no campus Pampulha. Mais informações sobre o evento podem ser solicitadas pelo e-mail: ddcconhecimentoparatodos@proex.ufmg.br ou pelos telefones (31) 3409-4427 e (31) 3409-4428.

Segue o link da chamada com maiores informações: http://bit.ly/2G3Pqnk

 

 

A Diretoria de Relações Internacionais (DRI) divulgou, nos últimos dias, chamada da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, uma das principais parceiras da UFMG fora do país, para financiamento de colaborações entre pesquisadores das duas instituições. A universidade britânica oferece 7 mil libras para primeiros passos de projetos em diversas áreas.

Esta é mais uma oportunidade de financiamento de pesquisa em tempos de recursos escassos no Brasil, ressalta o diretor adjunto de Relações Internacionais, professor Dawisson Belém Lopes. “Docentes da UFMG têm sido bem-sucedidos em busca de alternativas para a concretização de seus projetos. E a DRI tem intensificado esforços de prospecção de oportunidades, negociação com agências e universidades, divulgação, organização de processos seletivos e apoio às candidaturas”, afirma.

As professoras Natália Chaves, Valéria Pereira e Ulrike Schröder desenvolvem projetos com suporte de redes e agências internacionais de fomento, com intermediação da DRI. Natália, da Faculdade de Direito, participa do projeto Les meilleures pratiques juridiques au service de l’acceptabilité sociale des projets miniers (As melhores práticas jurídicas a serviço da aceitabilidade social de projetos de mineração, em tradução livre). O projeto visa garantir o aperfeiçoamento das práticas da atividade de mineração, levando em conta os interesses da população e a responsabilidade social.

Os membros da equipe realizarão três conferências internacionais para abordar o projeto e, na conclusão, produzirão um artigo sobre o tema. O projeto integra o programa de cooperação universitária Prisa, da Agence Universitaire de la Francophonie. Segundo Natália, não foi fácil conjugar os objetivos de cada integrante, mas a experiência tem sido enriquecedora, possibilitando interações com professores estrangeiros e abrindo portas para futuras parcerias.

Sheffield
O fundo de sete mil libras por projeto criado pela Universidade de Sheffield para colaborações com a UFMG vai financiar viagens, eventos e outras ações. Grupos que já trabalham juntos – por exemplo, para submissão de propostas ao programa PrInt/UFMG, que lançará novas chamadas em agosto – poderão aproveitar projetos em andamento para participação também nessa iniciativa.

Para candidatos que ainda não tenham cooperação iniciada com a instituição britânica, a DRI sugere consulta à ferramenta GCRF Sheffield Collaboration Tool, que facilita a identificação de pesquisadores em áreas específicas. As submissões de propostas devem ser feitas, necessariamente, por um pesquisador da Universidade de Sheffield. O prazo final é 9 de setembro de 2019.

A DRI está à disposição para auxiliar os candidatos pelo e-mail redes@dri.ufmg.br. Orientações sobre a iniciativa da Universidade de Sheffield podem ser encontradas no site da DRI : https://www.ufmg.br/dri/

Página 3 de 16412345678910...203040...Última »
Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários