Get Adobe Flash player

SAÚDE

Página 1 de 2312345678910...20...Última »

 

 

 

Pela primeira vez, o campus Saúde recebeu a Feira Agroecológica, já tradicional no campus Pampulha. A atividade faz parte de um projeto de extensão vinculado à disciplina Estágio Supervisionado em Internato Rural, do curso de Nutrição da Escola de Enfermagem.

A feira reuniu produtores vinculados à Associação de Agricultores Agroecológicos e Biodinâmicos da Serra do Rola Moça e dos municípios de Conceição do Mato Dentro, Ibirité, Santana do Riacho e Pains.

O objetivo é estimular o consumo de frutas, verduras e legumes provenientes da produção agroecológica e promover reflexões sobre o uso de agrotóxicos na produção de alimentos.

A feira terá novas edições nos dias 29 de novembro, 6 e 13 dezembro, das 10h às 14h, no campus Saúde.

 

 

 

Parceria do campus Saúde com o Departamento de Química do ICEx possibilitou a criação de nova tecnologia, de baixíssimo custo, capaz de combater larvas e ovos do mosquito Aedes aegypti mesmo em águas extremamente sujas, como a de esgotos. Trata-se de uma pastilha feita com tijolo de cerâmica tratado quimicamente, que é eficaz em locais inóspitos, como bueiros e ralos, onde não há luz ou água limpa. O larvicida, desenvolvido por equipe coordenada pelo professor Jadson Belchior, tem reduzido, em mais de 80%, a população do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika no campus Saúde.

O dispositivo foi criado a partir de uma demanda do campus, que tem os bueiros como principal foco de proliferação desses vetores. Esse comportamento foge do habitual, uma vez que o Aedes aegypti costuma depositar ovos em recipientes com água limpa.

“Nas unidades do campus, os vasinhos de plantas foram reduzidos. O mosquito provavelmente está fora dos prédios e migrando para dentro. Os bueiros acumulam água parada e nutrientes gerados por folhas secas. E é justamente disso que os ovos precisam para virar larvas”, detalha Jadson Belchior.

A pesquisa foi iniciada no começo deste ano, em continuidade a estudos desenvolvidos no ano anterior, também em parceria com o campus Saúde. Essas pastilhas têm como suporte uma cerâmica, que é impregnada com moléculas nocivas à larva, mas com nível de concentração que não faz mal ao ser humano.

O material larvicida é liberado de forma lenta e controlada quando entra em contato com a água, por cerca de 6 a 7 semanas, o que inibe o desenvolvimento dos ovos na fase larvária, impedindo-os de eclodir ou matando as possíveis larvas que eclodiram. Assim, o processo reduz drasticamente a proliferação dos mosquitos em locais inóspitos como bueiros, bocas de lobo, sifões de pias e ralos, que costumam acumular água no fundo.

A tecnologia também consegue eliminar larvas e ovos de outros mosquitos que se originam em fase aquática, como o vetor da malária e febre amarela, além de inibir a proliferação de escorpiões e baratas como efeito colateral, afastando-os dos locais onde o larvicida é colocado.

Belchior explica que a pastilha foi criada a partir de outra tecnologia também desenvolvida sob sua coordenação, em parceria com a Vértica Tecnologia e Inovação Ltda, e já patenteada pela UFMG.

 

 

Pacientes atendidos no Hospital Borges da Costa, parte do complexo hospitalar do Hospital das Clínicas da UFMG, poderão contar com um espaço novo, interativo e divertido. Essa é a proposta de um crowdfunding (financiamento colaborativo) promovido na Universidade: o projeto Jardins do Borges, iniciativa de extensão da Faculdade de Medicina. Esses Jardins foram idealizados por professores do Departamento de Saúde Mental da Faculdade e visam a melhoria da qualidade de vida de crianças, adultos e idosos em tratamento psiquiátrico e oncológico.

Os espaços ao fundo do hospital serão telados e receberão melhorias nos pisos, jardins, iluminação, além de instalação de playground de atividades infantis, labirinto sensorial (feito para estimular os sentidos das crianças) e mobiliário específico para alocar materiais de trabalho usados nas terapias, como equipamentos de fisioterapia e terapia ocupacional. “Nossa meta inicial é a revitalização de duas áreas, sendo que uma delas será destinada apenas a crianças, com estrutura voltada às atividades infantis, e a outra para os adultos e idosos”, conta a professora Débora Marques, que está à frente do projeto.

O espaço já recebe oficinas de arte e música. A ideia é que isso se amplie. “Crianças que não param quietas – simplesmente porque não conseguem parar – e idosos poderão estar em uma sala de espera dinâmica, aonde se intervém e se entretém, além de socializar e otimizar o tempo para trabalhar habilidades”, explica a professora.

Qualquer pessoa poderá doar pela plataforma Benfeitoria. O projeto estará aberto a partir do dia 18 de novembro e receberá doações até 7 de fevereiro de 2020. As doações estão ligadas a recompensas, entregues caso se alcance o valor estabelecido. Quem contribuir poderá receber de ecobag e camiseta até convites para a Semana de Inovação e jantar especial do Chef Leo Paixão, no restaurante Glouton. Caso o valor de doações necessárias para execução do projeto não seja atingido, os doadores recebem de volta o investimento realizado.

Esse é um dos primeiros financiamentos colaborativos promovidos pela UFMG. “Os recursos públicos têm sido cada vez mais exíguos para novos investimentos e a campanha de crowdfunding é uma forma de dar voz àquilo que achamos que pode ser importante financiar, trabalhar por, criar e estimular”, explica. A captação se dá por intermédio da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) e tem amparo na Lei nº 8.958/94.

 

 

 

Uma em cada duas gestantes desenvolverá lombalgia, dor que ocorre na região lombar inferior. A estimativa é apresentada pela professora Elyonara Figueiredo, do Departamento de Fisioterapia da UFMG, Elyonara Figueiredo, para ressaltar a importância dos cuidados com a saúde da mulher durante a gestação. Ela coordena a disciplina Atividade prática integradora 4 para alunos do sexto período do curso de Fisioterapia da UFMG, que oferta gratuitamente assistência fisioterapêutica a mulheres, principalmente gestantes, futuras mães e as que estão no período pós-parto.

O serviço começou neste semestre e tem vagas limitadas. As interessadas devem entrar em contato com a própria Elyonara pelo telefone (31) 3409-4783.

Uma das gestantes atendida é a analista de marketing Julia Marfori, que procurou o serviço após a indicação de uma amiga. A avaliação que fizeram dela indicou um nível 10 de dor, o máximo de uma escala que começa do 0. O desconforto era tanto que a prejudicava em atividades diárias, como se vestir ou deitar na cama. Após o acompanhamento com a professora Elyonara Figueiredo e os estudantes de Fisioterapia, Julia está prestes a receber alta no tratamento da lombalgia, mas continuará sendo orientada pela equipe para prevenir novos problemas.

Página 1 de 2312345678910...20...Última »
Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários