Get Adobe Flash player

INFORMAÇÃO

 

 

O Center for Gastrointestinal Biology (CGB), do Instituto de Ciências Biológicas, promove, nos dias 22 e 23 de julho, a segunda edição do ImmunoNutri, evento que alia conceitos e estudos das áreas de imunologia e nutrição. As inscrições estão abertas até a próxima quarta-feira, 17.

Em formato dinâmico, com sessões de debate de curta duração, o evento contará com palestras de 20 pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da UFMG e UFRJ. Entre eles, Heitor Paula Neto, professor do Departamento de Biotecnologia Farmacêutica da UFRJ, falará sobre os benefícios da atividade física sob a perspectiva endócrina.

De acordo com a pesquisadora Maísa Antunes, coordenadora do evento, a proposta do ImmunoNutri é possibilitar que pesquisadores das áreas de imunologia e nutrição, que são correlatas, compartilhem resultados de estudos. “Apesar de relacionados, a junção de temas das duas áreas ainda é uma proposta muito inovadora”, destaca Maísa.

Outra finalidade do encontro é arrecadar recursos para as atividades do CGB, laboratório de referência no estudo de doenças hepáticas coordenado pelo professor Gustavo Menezes. Uma de suas descobertas mais recentes revelou, por exemplo, que o fígado de recém-nascidos exerce função predominantemente imunológica, e o desmame precoce pode predispor o organismo a doenças na vida adulta.

Os valores das inscrições serão destinados à compra de insumos, como reagentes e equipamentos básicos, essenciais para a continuidade de pesquisas realizadas no laboratório. Essa gestão é realizada no formato de crowdfunding para pesquisas. Prestações de contas periódicas e detalhadas da iniciativa de financiamento coletivo serão disponibilizadas nas redes sociais do evento.

Palestras técnicas
Os participantes também terão acesso a um conjunto de palestras técnicas que serão ministradas por especialistas de empresas apoiadoras do laboratório, que é único da América Latina a integrar a rede dos centros de excelência da Nikon, responsável pela produção de microscópios. A pesquisadora Karin Kieling, da Biolab Brasil, que representa a Nikon no país, falará sobre técnicas microscopia confocal. Já a Companhia Becton Dickinson (BD) apresentará novidades no campo dos processos de fluorescência. A Promega vai explicar os avanços na técnica RealTime PCR, utilizada para estudar expressão gênica. Já a especialista da InfinityPharma ministrará palestra sobre Probióticos: fatores de transferência e sistema imune.

Pôsteres
Uma novidade desta edição do ImmunoNutri são as apresentações em formato de pôster. Segundo Maísa Antunes, que é residente de pós-doutorado no ICB, a iniciativa contribui principalmente para graduandos e pós-graduandos em estágios iniciais de pesquisa, pois permite a eles explorar novas possibilidades indicadas pelos participantes. “Isso é muito importante para os alunos, pois muitos deles ainda estão em fase inicial dos projetos. Às vezes, o estudante quer apresentar o trabalho, mas considera que falta muito para arguição oral. A apresentação nessa modalidade permite que ele exponha seu projeto ainda em fase inicial, abrindo espaço para discutir o trabalho e, possivelmente, ter ideias e sugestões durante o evento”, explica.

Mais informações e a programação do evento, que será realizado no CAD1, no campus Pampulha, estão disponíveis na página do ImmunoNutri no Facebook.

 

 

Estudantes, docentes e técnicos-administrativos que desenvolvam projetos de pesquisa, de iniciação científica, de extensão ou quaisquer outras modalidades de produção do conhecimento podem se inscrever no #ExploraUFMGJovem, atividade da 20ª edição da UFMG Jovem na qual serão apresentados resultados de processos e estudos à comunidade da educação básica. As inscrições estão abertas até 10 de agosto, e as instruções estão descritas na chamada.

Os trabalhos podem ser apresentados por meio de exposições, atividades lúdicas ou interativas, que poderão ser de caráter fixo – durante os dois dias do evento –ou eventual, com turnos definidos. O resultado da avaliação das propostas será divulgado até o dia 16 de agosto.

Em sua 20ª edição, a UFMG Jovem será realizada nos dias 19 e 20 de setembro, no hall do CAD 1, no campus Pampulha. Mais informações sobre o evento podem ser solicitadas pelo e-mail: ddcconhecimentoparatodos@proex.ufmg.br ou pelos telefones (31) 3409-4427 e (31) 3409-4428.

Segue o link da chamada com maiores informações: http://bit.ly/2G3Pqnk

 

 

A Diretoria de Relações Internacionais (DRI) divulgou, nos últimos dias, chamada da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, uma das principais parceiras da UFMG fora do país, para financiamento de colaborações entre pesquisadores das duas instituições. A universidade britânica oferece 7 mil libras para primeiros passos de projetos em diversas áreas.

Esta é mais uma oportunidade de financiamento de pesquisa em tempos de recursos escassos no Brasil, ressalta o diretor adjunto de Relações Internacionais, professor Dawisson Belém Lopes. “Docentes da UFMG têm sido bem-sucedidos em busca de alternativas para a concretização de seus projetos. E a DRI tem intensificado esforços de prospecção de oportunidades, negociação com agências e universidades, divulgação, organização de processos seletivos e apoio às candidaturas”, afirma.

As professoras Natália Chaves, Valéria Pereira e Ulrike Schröder desenvolvem projetos com suporte de redes e agências internacionais de fomento, com intermediação da DRI. Natália, da Faculdade de Direito, participa do projeto Les meilleures pratiques juridiques au service de l’acceptabilité sociale des projets miniers (As melhores práticas jurídicas a serviço da aceitabilidade social de projetos de mineração, em tradução livre). O projeto visa garantir o aperfeiçoamento das práticas da atividade de mineração, levando em conta os interesses da população e a responsabilidade social.

Os membros da equipe realizarão três conferências internacionais para abordar o projeto e, na conclusão, produzirão um artigo sobre o tema. O projeto integra o programa de cooperação universitária Prisa, da Agence Universitaire de la Francophonie. Segundo Natália, não foi fácil conjugar os objetivos de cada integrante, mas a experiência tem sido enriquecedora, possibilitando interações com professores estrangeiros e abrindo portas para futuras parcerias.

Sheffield
O fundo de sete mil libras por projeto criado pela Universidade de Sheffield para colaborações com a UFMG vai financiar viagens, eventos e outras ações. Grupos que já trabalham juntos – por exemplo, para submissão de propostas ao programa PrInt/UFMG, que lançará novas chamadas em agosto – poderão aproveitar projetos em andamento para participação também nessa iniciativa.

Para candidatos que ainda não tenham cooperação iniciada com a instituição britânica, a DRI sugere consulta à ferramenta GCRF Sheffield Collaboration Tool, que facilita a identificação de pesquisadores em áreas específicas. As submissões de propostas devem ser feitas, necessariamente, por um pesquisador da Universidade de Sheffield. O prazo final é 9 de setembro de 2019.

A DRI está à disposição para auxiliar os candidatos pelo e-mail redes@dri.ufmg.br. Orientações sobre a iniciativa da Universidade de Sheffield podem ser encontradas no site da DRI : https://www.ufmg.br/dri/

 

 

O projeto de extensão Tal mãe, tal filho, da Faculdade de Odontologia, oferece tratamento odontológico gratuito para gestantes e lactantes. Os atendimentos são realizados por livre demanda e, a partir do próximo semestre, ocorrerão todas as sextas-feiras, das 8h às 12h. Os agendamentos podem ser feitos por meio meio de envio de mensagem ou de ligação para o número (31) 9 9976-9599.

Ensino e extensão
Idealizado pela professora Lívia Guimarães, Tal mãe, tal filho preenche duas lacunas: a falta de uma disciplina no currículo do curso de Odontologia direcionada aos cuidados odontológicos com mulheres grávidas e de informações a respeito do pré-natal odontológico. O projeto Tal mãe, Tal filho teve início no primeiro semestre de 2019, com 20 vagas para alunos da graduação, a partir do sexto período.
De acordo com Lívia, o pré-natal odontológico é ainda um tema tabu na sociedade, pois existe uma ideia, equivocada, de que mulher não pode ir ao dentista porque o tratamento afeta a gravidez. Segundo ela, também existem casos de dentistas que se recusam a atender gestantes. A professora lembra, no entanto, que o tratamento é importante porque alterações odontológicas podem atrapalhar a gravidez de uma pessoa, podendo causar, inclusive, o parto prematuro.

O projeto promove o atendimento clínico de mulheres gestantes e lactantes que estão passando pelo puerpério. Segundo Lívia, quando os cuidados não são atribuição da atenção primária, os pacientes acabam encaminhados para outras clínicas da própria Faculdade de Odontologia. Lívia Guimarães afirma que principais demandas atendidas pelo projeto são cuidados relativos ao sangramento da gengiva (comuns durante a gestação devido às alterações hormonais no corpo da mulher), cáries e dor de dente. Além disso, o projeto também promove ações educativas visando à promoção da saúde de mulheres grávidas e lactantes, por meio de rodas de conversas, palestras e eventos.

Parcerias
O projeto Tal mãe, Tal filho recebe alunas gestantes assistidas pela UFMG e encaminhadas pela Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Prae) e mantém parcerias com o Hospital Sofia Feldman e com a Clinica do Bebê, da Faculdade de Odontologia. A primeira se dá por meio do desenvolvimento de ações de promoção da saúde para gestantes e lactantes, além do encaminhamento de pacientes que contribuem para o Banco de Leite Humano, do Hospital. Por sua vez, mulheres que tiveram seus atendimentos encerrados em razão do nascimento dos filhos e do fim do período de puerpério são encaminhadas à Clínica do Bebê.

 

 

Realizado pela Diretoria de Ação Cultural da UFMG, no período de 11 a 21 de julho, o Festival de Inverno tem programação extensa que, além das oficinas e residências, inclui espetáculos teatrais, concertos, shows, palestras e a 1ª Jornada de Estudos sobre Patrimônio Cultural Imaterial. As atrações artísticas e culturais são gratuitas, com exceção de algumas sessões do Planetário, no Espaço do Conhecimento, a programação do Festival terá início em Tiradentes, no dia 11, e a abertura oficial será no domingo, 14 de julho, no Conservatório UFMG, com apresentação do Trio Corrente, grupo de música instrumental vencedor do Grammy. O evento será encerrado com atividades integradas à programação da Virada Cultural de BH, nos dias 20 e 21 de julho.

Estão abertas, no período de 28 de junho a 11 de julho, as inscrições para a edição 2019 do Festival de Inverno UFMG. O procedimento, para oficinas e residências artísticas, deve ser feito neste endereço: https://bit.ly/2Jag9Qc. A lista de ofertas pode ser acessada em https://bit.ly/2XgiTVM

Com eventos gratuitos e oficinas a preços populares, as atividades serão realizadas no Centro Cultural UFMG, Conservatório UFMG, Espaço do Conhecimento UFMG, Campus Pampulha e Campus Cultural UFMG em Tiradentes.

 

Participação propositiva
O tema do 51º Festival de Inverno UFMG foi inspirado nos debates recentes sobre patrimônio histórico, artístico, cultural e universitário, motivados tanto por catástrofes como os incêndios do Museu Nacional e do Museu da Língua Portuguesa quanto pelo questionamento de políticas públicas para o setor. “Nestes tempos em que a história parece ter entrado em transe, o Festival nos convida a tratar de um tema urgente: a memória. Ela será abordada por duplo viés: arte e patrimônio. Queremos participar dessa discussão de forma mais propositiva e positiva, trazendo visibilidade a projetos e a todo o trabalho que a UFMG vem desenvolvendo nessas áreas”, explica o professor Fernando Antonio Mencarelli, diretor de Ação Cultural da UFMG.

 

A inserção do Festival no debate sobre a memória na arte e no patrimônio ocorre de maneira direta, já que o evento acontece em um conjunto de bens tombados da Universidade, como as sedes do Centro Cultural, do Conservatório e o Espaço do Conhecimento, em Belo Horizonte, e os prédios do século 18 do Campus Cultural UFMG em Tiradentes. “Nossos espaços culturais potencializam a interação entre cidade e universidade, oferecendo-se como lugar de encontro, formação, aprendizagem pelas artes e culturas, compartilhamento da excelência artística”, comenta Mencarelli.

 

 

Nos últimos anos, a UFMG quase dobrou a quantidade de papel, papelão, metal e plástico coletada nos campi de Belo Horizonte. Em 2014, foram 55,6 toneladas; em 2018, 99 toneladas. Esse é, sem dúvida, um dado positivo, mas, embora não seja possível estimar o potencial de elevação desses números, é certo que eles podem melhorar muito. Ainda é frequente, por exemplo, encontrar resíduos recicláveis misturados aos resíduos comuns, o que inviabiliza o seu aproveitamento para reciclagem.

 

O Programa de Coleta Seletiva ­Solidária, desenvolvido pelo Departamento de Gestão Ambiental (DGA), da Pró-reitoria de Administração, encaminha esses materiais a três associações de catadores em Belo Horizonte e Vespasiano, atendendo ao decreto 5.940/2006, que determina que instituições federais destinem o resíduo reciclável a cooperativas. As ações da Universidade nessa área seguem também os preceitos da Lei 12.305/2010, que criou a Política Nacional de Resíduos Sólidos, segundo a qual grandes empreendimentos devem destinar, de forma adequada, resíduo comum, reciclável e de serviços de saúde.

 

“Por meio da coleta solidária, a UFMG contribui para minimizar problemas ambientais e para gerar emprego e renda para famílias de catadores de materiais recicláveis”, afirma Ricardo Augusto Sales, chefe da Divisão de Gestão de Resíduos (DGR).

 

 

Convênio Assufemg / UniBH. Para maiores informações, entre em contato com o setor de convênios: 3439-8110

#AssufemgViva!

Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários