Get Adobe Flash player

Arquivo do Autor

SARAMPO

 

 Para não pegar, tem que vacinar

 

O surto de sarampo continua crescendo em diversos estados do Brasil. A medida mais eficaz de proteção contra o sarampo é a vacina, que está disponível nos postos de saúde da rede pública.

Fique atento: a partir de agora, todas as crianças de seis meses a menores de um ano devem ser vacinadas contra o sarampo em todo o país. A medida visa intensificar a vacinação nesse público-alvo da doença, que é mais suscetível a casos graves e óbitos. Essa dose da vacina, entre 6 e 12 meses, é chamada “dose zero” e não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. A vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente de a criança ter tomado a “dose zero” da vacina.

Mantenha o cartão de vacinação sempre atualizado.

Consulte as orientações de imunização em https:unimedbh.com.br

 

 

Em setembro Belo Horizonte se cobrirá de histórias da nossa ancestralidade afro brasileira.Dia 7 de setembro o Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira, receberá o “Sopros de Ayó”.Evento de extensão do “AYÓ-ENCONTRO NEGRO DE CONTADORES DE HISTÓRIAS”, cuja última versão aconteceu na capital em 2018. Sopros de Ayó prima pela contação de histórias de nossa afro brasilidade onde negros e negras se tornam protagonistas de suas próprias histórias. Além da presença de vários contadores e contadoras de histórias, o evento terá uma feira de artesanatos, comidas e bebidas na temática afro, com apresentações musicais e exibição do documentário AYO MINAS. Sopros de Ayó conta também com a participação dos moradores do entorno do Centro Cultural.

SOPROS DE AYO
Onde:Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira
Av. Antônio Carlos 821, dentro do Mercado da Lagoinha
Dia: 7 de setembro de 2019
Horário: 9hs às 18hs
Entrada Franca
Informações:
(31) 920008726 Magna Oliveira-Coordenação geral
(31)9988 53155- Olga
(31)9750 85678- Vivian

 

 

Já está no ar a Edição 1268 do Pinga Fogo! Confira clicando aqui.

 

 

No período de 3 a 13 de setembro de 2019, a comunidade do campus Pampulha terá à disposição postos de vacinação contra o sarampo, exceto em fim de semana. A cada dia, uma unidade diferente receberá equipe de vacinação, das 9h às 12h e das 13h às 17h. No posto do Departamento de Atenção à Saúde do Trabalhador (Dast), que funcionará em todos os dias da campanha, o atendimento será nos mesmos horários e também no período noturno, das 18h às 21h.

O sarampo é uma doença viral prevenível pela vacina tríplice viral. Considerando o atual cenário epidemiológico e o risco de ocorrência de novos casos da doença, a Secretaria Municipal de Saúde juntamente com a UFMG e a Caixa de Assistência à Saúde da Universidade (Casu) promovem a campanha de vacinação contra a doença para ampliar a cobertura vacinal de pessoas entre 15 a 49 anos de idade.

Documentos

O interessado deve levar cartão de vacina (caso o tenha) e documento de identidade para que a situação vacinal seja verificada pelos profissionais.

Programação

3 de setembro
Postos de vacinação: EEFFTO e Dast

4 de setembro
Posto de vacinação: Escola de Engenharia e Dast

5 de setembro
Posto de vacinação: Escola de Odontologia e Dast

6 de setembro
Posto de vacinação: Instituto de Ciências Biológicas e Dast

9 de setembro
Posto de Vacinação: Escola de Belas-Artes e Dast

10 de setembro
Posto de vacinação: Fafich e Dast

11 de setembro
Posto de Vacinação: Faculdade de Educação e Dast

12 de setembro
Posto de Vacinação: Escola de Veterinária e Dast

13 de setembro
Posto de Vacinação: Dast

 

 

Estão abertas as inscrições para a oitava oferta do Idiomas Sem Fronteiras (IsF) na UFMG em 2019, com cursos de espanhol, italiano e francês em cursos com carga horária de 16 a 32 horas. O foco das formações é o desenvolvimento de habilidades linguísticas para internacionalização e a preparação para exames de proficiência.

Podem se inscrever estudantes de graduação, mestrado e doutorado de todos os cursos, professores e técnico-administrativos com vínculo na UFMG e alunos do Coltec e do Teatro Universitário.

As inscrições terminam na próxima segunda-feira, 9 de setembro, e devem ser feitas no site do IsF : http://isfaluno.mec.gov.br/
As aulas começam em 30 de setembro. Mais informações estão disponíveis no edital: http://isf.mec.gov.br/images/2019/edital_04_2019.pdf

 

 

Com discussões sobre a vivência e representação feminina no ambiente acadêmico-científico, será realizada, no dias 30 e 31 de agosto, a segunda edição do Congresso de Mulheres na Ciência.

O evento foi idealizado em 2018 por alunas da graduação em Ciências Biológicas da UFMG. Elas se sentiam frustradas por não se verem devidamente representadas em congressos e encontros científicos. Segundo Laila Blanc Arabe, da organização da segunda edição, o objetivo era “promover um congresso que tirasse a temática de mulheres na ciência do lugar de ‘tabu’ para pôr em discussão pautas reais, com dados e vivências de mulheres professoras que já estiveram em nossos lugares”.

As problemáticas apontadas por Laila refletem-se na agenda deste ano. A doutoranda em Ciência da Informação da UFMG Franciéle Garcês, por exemplo, falará sobre a visibilidade das mulheres nas Humanidades, enquanto a professora Mariah Brochado, da Faculdade de Direito, abordará o apagamento de mulheres importantes na história da ciência.

Pautas
A primeira edição do evento teve uma abordagem mais próxima das ciências exatas e biológicas, refletindo o repertório das idealizadoras. Neste ano, a organização assumiu o compromisso de construir um congresso mais diverso. Segundo Laila Blanc, a própria equipe de organização está mais heterogênea e conta com graduandas e pós-graduandas das ciências biológicas, saúde, exatas e humanidades. “Queremos pôr em pauta problemáticas comuns às mais diversas áreas da ciência, como a falta de representatividade, assédio e evasão de mulheres da academia”, anuncia Laila.

A diversidade nos nomes que compõem a programação também são outra forma de questionar o status quo das mulheres cientistas. A intenção, de acordo com Laila, é mostrar que existem mulheres especialistas nas mais diversas áreas, tornando inválido o argumento de que “não encontraram mulheres especialistas para compor a mesa”.

Entre os destaques do evento está a palestra de abertura da professora Nilma Lino Gomes, da Faculdade de Educação. “Ela é referência no campo de pesquisa das relações étnico-raciais e tem uma trajetória muito ativa na construção de uma universidade mais inclusiva. Sua palestra vai demonstrar o quanto a ciência tem a ganhar com pesquisadores de perfil diverso”, explica Laila.

O segundo Congresso de Mulheres na Ciência será realizado no auditório A104 do Centro de Atividades Didáticas em Ciências Humanas (CAD 2), no campus Pampulha. Ainda é possível comprar ingressos no Sympla para o público geral e a preços promocionais para estudantes assistidos pela UFMG, por meio da Fundação Universitária Mendes Pimentel (Fump), nos níveis I, II e III.

Mais informações estão disponíveis no site do evento: https://cmcufmg.46graus.com/, e será transmitido ao vivo pelo canal no Youtube da Coordenadoria de Assuntos Comunitários (CAC).

 

 

Na próxima quarta, dia 28, o Ars Nova – Coral da UFMG apresenta o concerto “O coro é pop!”, às 12h30, na Praça de Serviços do campus Pampulha. O grupo traz um repertório que mescla canções clássicas e populares em apresentação gratuita, por meio do projeto Quarta Doze e Trinta. A atividade é aberta ao público externo. Informações pelo (31) 3409 6411.

Com canções que vão de Ravel a Milton Nascimento, o novo concerto do Ars Nova buscou inspiração no trabalho de compositores que misturaram referências eruditas e populares em suas criações, e assim ajudaram a popularizar certos estilos musicais em seus respectivos períodos. Foi assim que Monteverdi popularizou o madrigal, enquanto Haydn e Ravel popularizaram o quarteto vocal com acompanhamento de piano, ou a capella.

Entre a música pop também aconteceram hibridismos, como a vertente folk rock de Simon e Garfunkel, que ganhou uma leitura clássica no arranjo adaptado de The Sounds of Silence. Outro exemplo é o grupo U2, que imortalizou o acalanto a Martin Luther King numa roupagem gospel de Bob Chilcott.

Esse hibridismo ganhou representantes no cenário brasileiro, como os compositores Marlos Nobre e Carlos Alberto Pinto da Fonseca. Eles recolheram no sertão nordestino e nos terreiros de candomblé, respectivamente, rica inspiração para compor sobre temas populares, usando a vertente erudita que lhes é característica.

Ars Nova
Referência na área de canto coral no Brasil e no exterior, o o Ars Nova-Coral da UFMG completa 60 anos de existência em 2019. De 1962 a 2004, o coro conquistou inúmeros prêmios e condecorações em importantes festivais nacionais e internacionais e realizou mais de 1400 apresentações no Brasil e em outros 17 países. Desde sua retomada, em 2013, o Ars Nova alcançou um público aproximado de 28 mil pessoas em mais de 110 concertos no Brasil e exterior.

Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários