Get Adobe Flash player

Arquivo do Autor

Página 2 de 2712345678910...20...Última »

 

 

 

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao Ministério da Educação (MEC), apresentou na manhã desta sexta-feira, 4, os resultados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2018. Dos 12 cursos de graduação da UFMG avaliados nesta edição do Exame, oito receberam nota máxima, 5, e outros quatro obtiveram nota 4.

“Podemos afirmar, com certeza, que 100% dos cursos da UFMG avaliados apresentaram resultado de muito bom a excelente. Mais uma vez, o Enade atesta a excelência do ensino ofertado pela instituição”, explica a diretora de Avaliação Institucional da UFMG, Viviane Santos Birchal.

O Enade é resultado da aplicação das provas aos estudantes dos cursos de graduação das instituições de ensino superior brasileiras. Estudantes ingressantes e concluintes são inscritos, mas a prova é aplicada somente aos concluintes (alunos com mais 80% de carga horária integralizada e/ou aqueles que devem colar grau no final de 2019 ou 10 semestre de 2020). O conceito é resultante do desempenho dos alunos de graduação na prova, que contém questões de formação geral e componentes específicos de cada curso. As médias obtidas pelos alunos são padronizadas, de acordo com a média brasileira e o desvio-padrão, em conceitos que vão de 1 a 5. O conceito 3 é atribuído aos cursos que estão na média ou próximos a ela, 1 e 2 aos que estão abaixo, e 4 e 5 aos que estão acima.

A reitora Sandra Regina Goulart Almeida comemorou o resultado do Enade. “É muito bom constatar que estamos aparecendo sistematicamente bem posicionados em diversos instrumentos de avaliação acadêmica do ensino superior. O resultado do Enade 2018 atesta o cuidado especial que a UFMG tem com o ensino de graduação e confirma o compromisso de nossa instituição com a qualidade do ensino no Brasil. Seguramente, os resultados que temos alcançado são decorrentes da indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão, dimensões fundamentais para a formação dos nossos estudantes”, afirma a reitora.

Análise rigorosa
Foram avaliados com nota 5 os cursos de Administração (campus Pampulha), Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Direito, Psicologia e Turismo. Os cursos de Administração (ICA/Montes Claros), Design, Gestão Pública e Relações Econômicas Internacionais obtiveram nota 4. Na comparação com a edição de 2015, quando o mesmo grupo de cursos foi avaliado, seis dos 11 cursos obtiveram melhora na nota. O curso de Gestão Pública não participou da edição de 2015.

“Mesmo alcançando ótimos patamares, esses resultados devem ser avaliados por Colegiados, Núcleos Docentes Estruturantes e Comissão Própria de Avaliação para percepção dos aspectos positivos e do que precisa ser melhorado. Os resultados representam importante instrumento de avaliação externa de nossos cursos”, afirma Viviane Birchal.

O Inep divulgou também o Índice de Diferença de Desempenho (IDD), que busca comparar os resultados do Enade, realizado pelos concluintes dos cursos de graduação, com os resultados desses mesmos estudantes no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), obtendo-se uma medida do valor agregado pelo curso ao desenvolvimento do estudante. Instituições de alta concorrência no Sisu, como a UFMG, cujos candidatos precisam ter notas bastante elevadas para serem aprovados, tendem a obter IDD menor que o Conceito Enade, uma vez que é difícil melhorar ainda mais o próprio desempenho.

CPC e IGC
O Inep deve divulgar em novembro o Conceito Preliminar de Curso (CPC). Este indicador é composto pelo Conceito Enade, IDD e os resultados da Avaliação do Corpo Docente e do Questionário do Estudante.

Também será divulgado o Índice Geral de Cursos (IGC), composto pela média dos CPCs e conceitos da pós-graduação, avaliados pela Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ponderados pela proporção de número de alunos avaliados em cada nível (graduação, mestrado e doutorado). A UFMG vem alcançando o conceito máximo, 5, desde que o IGC começou a ser calculado, em 2007, e está entre as universidades mais bem avaliadas do país. Além disso, a UFMG também recebeu o Conceito Institucional (CI) máximo, igual a 5, no processo de recredenciamento que ocorreu em 2017.

 

 

O Baratão dos Óculos está com queimão de estoque e descontos para você Sócio Assufemg!

 

 

 

Durante todo o mês de outubro, iniciativas ao redor do mundo são realizadas para promover a conscientização sobre o câncer de mama. A UFMG também aderiu à campanha Outubro Rosa, com programação no Espaço do Conhecimento e no Hospital das Clínicas.

Até o dia 31, o Espaço do Conhecimento ilumina a Praça da Liberdade com projeções cor-de-rosa. Todas as noites, das 18h às 22h, sua fachada digital exibirá intervenções com a cor-símbolo do movimento.

O Hospital das Clínicas, por sua vez, promove, na próxima sexta-feira, 11, o seminário Câncer de mama: diagnóstico, tratamento e reabilitação. Com palestras, mesas-redondas e debates, a discussão ocorrerá, das 7h às 13h30, no Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG (Avenida Professor Alfredo Balena, 190 – Santa Efigênia).

Promovido pelo Serviço de Mastologia do HC-UFMG, o evento vai apresentar novidades em relação à sua atuação, formas de lidar com pacientes de alto risco e os tratamentos disponíveis. As inscrições, gratuitas, devem ser feitas pelo Sympla.

Alcance planetário
O Outubro Rosa é um movimento internacional criado na década de 1990 pela Fundação Komen, dos Estados Unidos. Desde então, a campanha atingiu escala global, quase sempre desassociado da fundação que lhe deu origem.

No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) aderiu ao Outubro Rosa em 2010. Segundo o Instituto, a cada ano são mais de 59 mil novos casos de câncer de mama no país. No mundo todo, esse é o tipo de tumor que mais mata mulheres.

O atendimento no Hospital das Clínicas da UFMG, administrado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), é feito de forma integrada ao Sistema Único de Saúde (SUS). As pacientes são encaminhadas pelos mastologistas da Rede SUS ou pelos médicos das Unidades Básicas de Saúde (UBS). As pacientes são atendidas em conjunto pelos médicos residentes e pelos preceptores. Os casos mais complexos são analisados em reuniões clínicas, e as decisões, compartilhadas por equipe composta de mastologista, patologista, oncologista clínico, radioterapeuta, fisioterapeuta, psicóloga e enfermeira.

Com o autoexame e a realização anual da mamografia, é possível descobrir e tratar o câncer de mama em seus estágios iniciais. Quando diagnosticados precocemente, 95% dos casos têm boas chances de cura

Página 2 de 2712345678910...20...Última »
Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários