Get Adobe Flash player
Página 1 de 11

 

 

A UFMG iniciou discussões para a implantação temporária e emergencial do regime de ensino híbrido na graduação, que mescla atividades remotas e presenciais. O movimento ocorre no âmbito do amplo planejamento que a Universidade tem feito para que o retorno às atividades presenciais ocorra de maneira gradual e participativa, em consonância com os indicadores da pandemia.
A ideia é que esse regime seja implantado em sintonia com os parâmetros estabelecidos pelo Plano para o retorno presencial de atividades não adaptáveis ao modo remoto. Assim, se as cidades em que a UFMG mantém campi estiverem no cenário de retorno relativo à etapa 1, o teto de ocupação dos espaços físicos será igual a 20%; se estiverem no cenário relativo à etapa 2, o teto de ocupação será de 40%. Os critérios estabelecidos para cada etapa de retorno estão descritos na edição mais recente do plano, publicada no mês passado.
“Não há uma data definida para o retorno presencial amplo, mas temos a expectativa de que seja possível, no segundo período letivo de 2021, ampliar a oferta de atividades presenciais. Nosso foco é o ‘como’, ou seja, vamos estabelecer critérios, diretrizes e parâmetros para essa volta gradual, uma vez que as condições sanitárias são dinâmicas”, afirma a pró-reitora de Graduação, Benigna de Oliveira.
Segundo a reitora Sandra Regina Goulart Almeida, a expectativa é que o planejamento dessa transição do Ensino Remoto Emergencial (ERE) para o Ensino Híbrido Emergencial (EHE) envolva toda a comunidade acadêmica, de forma a se mensurar o impacto que o retorno de algumas atividades presenciais deve ocasionar na vida da comunidade e da cidade. “A UFMG tem retomado as aulas presenciais de forma gradual, seguindo as orientações das autoridades sanitárias locais e o plano de retorno e o protocolo de biossegurança aprovados pela instituição”, demarca a reitora.
Fórum de debate
O planejamento para a implantação do Ensino Híbrido Emergencial (EHE) será tema do Fórum de Integração Docente que ocorre nesta quarta-feira, dia 21 de julho, das 14h às 16h. A ideia é que, nessas discussões, a Administração Central da Universidade, auxiliada por toda a comunidade acadêmica e pelos colegiados de cursos de graduação e departamentos, possa identificar as atividades curriculares que mais sofreram prejuízos no processo de ensino-aprendizagem ao serem ofertadas remotamente, para que então se possa priorizar o retorno delas para o ensino presencial de forma integral ou parcial – a exemplo das atividades que têm carga horária prática e trabalhos de laboratório e de campo.
Os fóruns on-line são espaços destinados à reflexão de questões relacionadas às mudanças no ensino provocadas pela pandemia. Transmitidos pelo canal da Coordenadoria de Assuntos Comunitários (CAC) no YouTube, são abertos à participação de toda a comunidade.
Da edição desta quarta-feira, dia 21, participam a reitora Sandra Goulart Almeida, o vice-reitor Alessandro Fernandes Moreira, a pró-reitora de Graduação, Benigna de Oliveira, o pró-reitor adjunto de Graduação, Bruno Teixeira, as professoras Cristina Alvim e Andréa Rodrigues Motta, presidente do grupo de trabalho instituído pela Câmara de Graduação para o planejamento do retorno gradual às atividades presenciais. A atuação desse grupo de trabalho teve início no dia 11 de junho. Além de docentes e representantes de diversas áreas da Administração Central, ele reúne dois representantes discentes, indicados pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE). Veja a resolução que instituiu o GT.
De acordo com a titular da Diretoria de Inovação e Metodologias de Ensino (GIZ), Maria José Flores, o encontro desta quarta-feira vai ampliar as discussões que vêm sendo realizadas por dirigentes de diversas instâncias da UFMG – Reitoria, diretorias de unidades acadêmicas, colegiados de cursos e departamentos. “Esperamos que o fórum contribua para também mobilizar estudantes, servidores técnico-administrativos em educação e professores que não ocupam cargos de gestão. É importante que todos conheçam as diretrizes iniciais propostas e se empenhem no enfrentamento desse desafio. Precisamos nos organizar para dar conta de promover uma retomada segura sem deixar nenhum curso para trás”, defende a professora.
Fonte: Ewerton Martins Ribeiro (ufmg.br)

Deixe um comentário

Página 1 de 11
Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários