Get Adobe Flash player
Página 1 de 11

 

 

 

O CTVacinas da UFMG terá suas atividades ampliadas para se transformar em um polo nacional de desenvolvimento de imunizantes, fármacos e kits diagnósticos. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o governo estadual anunciaram o aporte de R$ 80 milhões para financiar a expansão do Centro, instalado no Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec).
O acordo foi acertado em reuniões realizadas na semana passada (13 e 14 de julho), quando a UFMG recebeu a visita do secretário-geral de Governo, Mateus Simões, e do subsecretário de Ciência e Tecnologia de Minas Gerais, Felipe Attiê. O MCTI foi representado pelo secretário de Estruturas Financeiras e de Projetos, Marcelo Meirelles, pelo diretor do Departamento de Estruturas para Viabilização Financeira e Projetos, Carlos Marques, e pelo coordenador-geral de Modelagem de Instrumentos Financeiros da Secretaria de Estruturas Financeiras e de Projetos (Sefip) do MCTI, Carlos Alberto Fernandes.
A parceria que une o MCTI, o governo de Minas e a UFMG começou a ser desenhada em fevereiro deste ano, quando a reitora Sandra Regina Goulart Almeida, o pró-reitor de Pesquisa, Mario Montenegro Campos, a professora Ana Paula Fernandes, do CTVacinas, e o vice-governador Paulo Brant reuniram-se em Brasília com o ministro Marcos Pontes. O acordo ora negociado é um desdobramento daquele encontro, cuja pauta central foi a transformação do CTVacinas em um centro nacional de vacinas. “Essas parcerias são fundamentais. Elas miram não apenas o combate a esta pandemia, mas principalmente o futuro de um país que ambiciona ser soberano na produção de vacinas, diagnósticos e medicamentos”, afirma a reitora Sandra Goulart Almeida.
Segundo a reitora, esses recursos se somam a outros liberados por parlamentares estaduais e pela Prefeitura de Belo Horizonte direcionados especificamente para os testes da SpiN-TEC, a vacina contra a covid-19.
Investimentos
Dos R$ 80 milhões aportados no CTVacinas, R$ 30 milhões serão liberados pelo governo de Minas, por meio da Fapemig e da Secretaria Estadual de Saúde. Os outros R$ 50 milhões virão do MCTI, por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).
A parceria com o governo de Minas também prevê o compartilhamento de laboratórios e a cooperação em projetos de desenvolvimento entre a Funed e a UFMG como contrapartida ao valor investido.
Fonte: Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico e ufmg.br

Deixe um comentário

Página 1 de 11
Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários