Get Adobe Flash player
Página 1 de 11

 

 

Profissionais e estudantes de instituições brasileiras e internacionais das áreas de infectologia, epidemiologia, farmácia, biomedicina, biologia, laboratórios clínicos, vigilância epidemiológica, gestão e políticas de saúde estarão reunidos na UFMG, de 28 a 31 de julho, durante o Medtrop-Parasito 2019, evento que unificará o 55º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical e o 26º Congresso da Sociedade Brasileira de Parasitologia. Também será realizada uma reunião satélite, o Chagaleish, centradas na Doença de Chagas e na leishmaniose.
Respectivamente organizados pela Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) e pela Sociedade Brasileira de Parasitologia (SBP), os eventos serão dedicados ao compartilhamento de avanços e soluções para as principais doenças tropicais que afligem o Brasil e as Américas. Haverá oficinas, minicursos e conferências sobre temáticas diversas. A programação, inscrições e outras informações estão disponíveis no site do evento: https://www.medtrop-parasito2019.com.br/

Menos atenção
Como explica o professor Ricardo Toshio Fujiwara, do Departamento de Parasitologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), um dos presidentes da comissão organizadora, trata-se do maior evento mundial sobre doenças tropicais classificadas como negligenciadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). “O combate a patologias como a leishmaniose e a doença de Chagas normalmente recebe menor investimento em comparação, por exemplo, a ações contra o HIV e a tuberculose”, explica Fujiwara.
E no caso brasileiro, afirma o professor, as políticas de prevenção e controle das doenças tropicais são de iniciativa exclusiva do poder público – uma desvantagem em relação ao que ocorre em muitos países desenvolvidos, onde empresas privadas costumam investir nessa atividade.

De acordo com a professora Rosália Morais Torres, da Faculdade de Medicina, que também preside a comissão, as doenças tropicais negligenciadas afetam cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo, especialmente populações vulneráveis, com escassos recursos financeiros e acesso limitado aos serviços de saúde. “Muitas vezes de baixo nível econômico e cultural, essas populações não têm voz, e seu sofrimento é vivido em silêncio. Por não gerarem renda significativa, não despertam o interesse da indústria farmacêutica e não têm acesso ao sistema político-financeiro de seus países”, explica.

Entre as 21 doenças consideradas negligenciadas pela OMS, causadas por agentes infecciosos ou parasitos, 18 delas têm prevalência no Brasil. As mais comuns são dengue, doença de Chagas, hanseníase, leishmaniose, malária e arboviroses em geral, como zika e chikungunya. Até junho deste ano, o Ministério da Saúde confirmou mais de 600 mil casos de dengue no Brasil e 1,127 milhão de ocorrências prováveis da doença. Até o mês passado, foram registradas 366 mortes relacionadas à dengue.

Os minicursos vão abordar temas como a investigação de surtos e a vigilância da síndrome congênita do zika. Já o controle de reservatórios e vetores da leishmaniose visceral e as soluções sustentáveis para o diagnóstico, tratamento e controle das doenças tropicais figuram entre os temas das oficinas. As atividades ocorrerão em dois centros de atividades didáticas da UFMG (CAD 1 e CAD 3), na Faculdade de Ciências Econômicas (Face) e no prédio da Reitoria.

A expectativa é que o evento, que será aberto neste domingo, no Palácio das Artes, receba cerca de quatro mil participantes, sendo 450 palestrantes. Estarão presentes representantes do Ministério da Saúde e especialistas de países como Argentina, Canadá, Estados Unidos, Espanha, Países Baixos, Reino Unido e África do Sul. Aproximadamente 2,8 mil trabalhos científicos foram enviados pela comunidade de pesquisadores. Haverá entrega de premiações para os autores dos melhores trabalhos apresentados, além de jovens pesquisadores e jornalistas de divulgação científica.

As organizadoras
Fundada em 1962, a SBMT se propõe a apoiar órgãos públicos e particulares envolvidos no enfrentamento de doenças tropicais, infecciosas e parasitárias em várias frentes de apoio, incentivando pesquisas em seus aspectos epidemiológicos, etiológicos, clínicos, fisiopatológicos, terapêuticos e preventivos. De caráter multidisciplinar, reúne em seu quadro especialistas de diferentes áreas da saúde, como entomologistas, epidemiologistas, parasitologistas, patologistas, imunologistas, biólogos, enfermeiros, farmacêuticos, médicos, ecologistas, engenheiros sanitaristas, pesquisadores e professores.

A SBP, fundada em 1965, é uma sociedade civil que congrega parasitologistas brasileiros e estrangeiros. Em cooperação com a Federação Mundial de Parasitologia (WFP), a Federação Latino-americana de Parasitologia (Flap) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), dedica-se a estimular o desenvolvimento tecnológico em parasitologia médica, veterinária e agrícola, a fomentar o intercâmbio de conhecimentos entre pesquisadores nacionais e estrangeiros e a sugerir medidas aos órgãos de combate a doenças parasitárias.

Deixe um comentário

Página 1 de 11
Notícias por categoria
Notícias anteriores
Comentários